O Benchmarking Jurídico pode alavancar o seu escritório

benchmarking jurídico

O termo “benchmarking jurídico” trata-se da avaliação e compararão dos escritórios de advocacia concorrentes e parceiros, além das ações que são praticadas no mercado corporativo como um todo, visando adaptá-las à realidade do próprio negócio.

A BT Créditos acredita que o advogado-gestor está cada vez mais inserido no contexto corporativo e, por conta disso, deve utilizar de estratégias que podem auxiliar seu escritório a prosperar como negócio. Leia o artigo completo.

O termo é bastante comum no mundo empresarial e em algumas estratégias de Marketing, mas acaba sendo pouco explorado em algumas outras área, assim como na própria advocacia.

O advogando, já mantendo sua atuação constante também como gestor de um negócio vivo, acaba tendo a necessidade de se municiar com estratégias validadas que podem ser adaptadas e testadas no próprio escritório.

Como entender o Benchmarking Jurídico

Dentro do universo jurídico e suas restrições, praticar benchmarking não é considerado como uma ação negativa ou prejudicial ao outro escritório, concorrente ou parceiro, dado que ter uma referência de negócio ou observar o movimento do mercado não se torna uma prática negativa.

Ou seja, as práticas de benchmarking não se tratam de cópia, trata-se de adaptabilidade, tratando o escritório ou empresa como referência, assim como os processos de atendimento da Disney são sempre estudados por empresas de todo o mundo, visto que sua efetividade no encantamento de clientes é algo visto como uma referência que pode ser analisada, testada e inserida em um outro contexto, área ou realidade.

Havendo, inclusive, o livro de Tom Connellan, por exemplo: Nos bastidores da Disney: Os segredos do Sucesso da Mais Poderosa Empresa de Diversões do Mundo, em que mostra como a marca consegue trabalhar a experiência máxima de seus clientes em contato com seus produtos e serviços.

Observe que, ainda que a Disney seja diferente de um escritório de advocacia em sua atuação, também se trata de uma empresa que lida com pessoas, expectativas, serviços, atendimento e gestão de pessoas e processos. Podendo ser analisada, entendida e, sem dúvida, usada de referência e forma de aprendizado.

Conseguir enxergar os movimentos feitos por outro escritório, seus erros ou acertos, avaliar e ajustar às estratégias do próprio negócio pode ser uma ótima maneira de conseguir extrair caminhos que poderiam antes não estarem tão claros.

Nem apenas o sucesso é observado, os erros cometidos e seus aprendizados também são formas de conseguir entender o mercado ao redor e se precaver de problemas que poderiam surgir.

Mas, claro, o benchmarking não deve ser visto como uma atividade de observação simples, trata-se de uma estratégia robusta que necessita de implementação, análise e cuidado, podendo fazer com que seu escritório consiga dar saltos de crescimento ou prever problemas maiores.

benchmarking jurídico

Quais são os tipos de benchmarking jurídico?


Benchmarking Competitivo

Nesse modelo de benchmarking o olhar do escritório se volta totalmente para sua concorrência, buscando identificar algumas tendências, insights e práticas que estão sendo exercitadas pelo outro escritório.

Benchmarking Cooperativo

Diferentemente do modelo Competitivo, o modo Cooperativo visa a parceria entre escritórios que, no geral, são de áreas diferentes do direito, para que consigam compartilhar caminhos e informações de negócio que podem ser utilizados por ambos os escritórios, por exemplo, o modelo de contratação e gestão de pessoas, o software que utiliza, processos internos, etc.

Por aqui a parceria e a cooperação é a chave para que ambos consigam performar em suas determinadas áreas de atuação.

Benchmarking Funcional

Muito similar ao exemplo que citamos sobre a Disney. No formato Funcional, a ideia é a busca por diferentes nichos ou porte para que sejam analisados, em sua maioria, a parte operacional e caminhos disruptivos que podem ser ajudados ao seu tamanho, investimento ou à própria OAB e suas restrições já conhecidas, no caso de escritórios de advocacia.

Escritório Míope: entendendo o termo

É comum que alguns escritórios sigam um modelo bastante tradicional em suas ações, estratégias e formato de atuação, o que pode distanciar o olhar para o novo e para coisas que são praticadas ao redor.

O termo “escritório míope” ou self-oriented, traz muito dessa essência de apenas ter uma direção baseada em si mesmo, não observando, acompanhando, analisando e aprendendo com empresas que estão atuando ao seu entorno, seja do mesmo nicho ou não.

Por isso, para manter-se vivo em um mercado, é preciso que o próprio mercado e seus agentes sejam sempre analisados.

Passo a passo para realizar o benchmarking jurídico


1- Análise Interna

Trazendo os conceitos para a aplicabilidade em um escritório, o primeiro ponto é a análise interna e como a sua equipe está operando em todos os processos.

O primeiro passo para que você consiga entender um outro negócio é conseguir entender como você atua hoje, tendo clareza de como funcionam os seus processos, seus gargalos, pontos fortes e fraquezas latentes.

Conseguindo ter uma boa imagem do próprio escritório, será possível identificar em que área ou quesito precisa de maior foco e urgência de ser trabalhado ou buscado no mercado, auxiliando também na percepção de qual modelo de benchmarking que será adotado.

Caso tenha dificuldade de conseguir entender suas forças e fraquezas, indicamos que utilize a metodologia da Análise SWOT, podendo ser uma interessante ferramenta para organizar essas informações.

2- Identificação das referências

Em seguida, o olhar se vira para os escritórios atuantes no mercado, sejam de grande porte (ou simplesmente maiores do que o seu) e escritórios equiparados, para a coleta de dados.

Os maiores escritórios nos mostram os caminhos que poderão ser traçados, por exemplo: softwares que estão sendo usados, ações de Marketing que geraram impacto ou estratégias que foram usadas para o crescimento.

Por aqui, o seu foco é entender quem são as referências que você pode colher informação e aprender de alguma maneira, seja um escritório em que admira, um escritório de maior porte ou uma empresa de outro nicho que acredita que poderá se adaptar à sua fraqueza ou também poderá ajudar no reforço de algum de seus pontos fortes.

3- Análise dos Dados

Após entender o momento atual do escritório em todos os aspectos, identificar as referências que são utilizadas baseadas nas fraquezas ou forças, agora é hora da análise e comparação de todos esses dados coletados, tanto os seus dados internos como os externos, compará-los, entendê-los, encontrar padrões e ideias.

4- Plano de Ação

Agora que já entende como seu escritório respira, seus pontos críticos e de maior qualidade, para quem deve olhar (referências) e após ter uma visão mais clara de todos esses dados obtidos em sua análise, deve ser realizada a criação de um plano de ação para as correções ou inovações identificadas.

Ponto importante: nenhuma mudança deve ser executada de maneira turbulenta e ao mesmo tempo. O escritório é um ambiente vivo com pessoas que exercem padrões, tanto operacionais de negócio como padrões de comportamento.

Seu plano de ação deve levar em conta todos esses aspectos para que algo seja alterado, poderá fazer uso de algum tipo de calendário de ações e as implementar aos poucos ou por nível de prioridade.

Conclusão

O benchmarking é uma excelente alternativa para conseguir entender seu estado atual de atuação em um mercado, além de conseguir fazer com que seu desenvolvimento seja gradual junto dos outros agentes que também estão no mesmo nicho.

Além de ferramentas como o benchmarking, o advogado-gestor deve utilizar de meios validados do mundo corporativo e desenvolvê-los dentro do meio jurídico e de suas estratégias no escritório.

Em alguns casos é possível até estar à frente da sua concorrência ao implantar algum tipo de novidade vinda de outro universo, isso possivelmente tornará o seu escritório como a referência para os outros.

Leia também o nosso artigo sobre os 2 principais pilares da fidelização de clientes na advocacia.

BT Créditos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga-nos nas Redes Sociais

Categorias

Posts Recentes

Cadastre-se em nossa newsletter.

A Bomtrato agora é BT Créditos

Em 2018, diante de um vasto mercado de litígios, com milhões de ações ajuizadas a cada ano,
vimos um Brasil com pouca ou nenhuma alternativa de crédito que proporcionasse maior
liquidez dos ativos judiciais
 trabalhistas de reclamantes e advogados.

Apesar das incertezas do sistema judiciário brasileiro, conseguimos construir e validar estratégias
que garantiram previsibilidade e retornos ajustados ao risco
. Diante desse cenário, fundamos a Bomtrato
e iniciamos um posicionamento que foi pioneiro em viabilizar soluções que oferecessem antecipação
e maior liquidez
 desses ativos a essas pessoas. 

Em 2022, abreviamos o nome e expandimos nossas soluções com foco em investimentos mais
robustos em direitos creditórios, agora baseados em operações estruturadas
 de crédito, que serão coordenadas
por uma equipe multidisciplinar, proporcionando toda a segurança nas operações.

Por fim, afirmamos que trabalharemos de forma incansável para que nossas soluções promovam
o desenvolvimento financeiro 
e, consequentemente a viabilidade de sonhos e projetos
de vida de nossos clientes.

Obstinados em fazer acontecer,

BT Créditos